segunda-feira, 12 de outubro de 2009

[SPOILER] Review de District 9

META: A um tempo já que não post assuntos não-técnicos. Bem, vou aproveitar o ensejo para matar dois coelhos: (1) Anunciar um projeto em parceria com minha namorada, o Cinema a dois. Não somos críticos de cinema mas adoramos alugar pilhas de filmes pro final de semana, aproveitamos e damos alguns pitacos por lá :) e (2) Falar de um filme que está dando o que falar: District 9. Se não viu ainda, corra. Aqui clipo o post na íntegra, boa leitura. :-)

--

"AVISO: Este post contém várias referências ao enredo, I mean, spoilers. Se você já assistiu, então ok, vá ao segundo parágrafo. Caso contrário mark as unread no seu Google Reader e volte aqui depois. O que você deve saber é que é um bom filme não-clichê e merece ser visto :)

District 9

District 9 é um filme que vai contra várias clichês que filmes de ficção científica normalmente abordam. Chamo a atenção para este ponto por que justamente isso já torna o filme bastante interessante. Não tem alienígenas maus invadindo a Terra com nenhum tipo de propósito esdrúxulo (nem tocando musiquinha, nem exterminando, nem dando lição de moral). Eles estão perdidos, desnutridos e indefesos. Não vieram falar com o "nosso líder" em NYC ou Chicago ou LA, eles caíram aleatoriamente em Joanesburgo e lá ficaram.

A realidade: O que o filme retrata é, no fundo no fundo, o que acabaria acontecendo com um possível contato desses. Os alienígenas perdidos foram alocados bem embaixo de onde sua nave estacionou. Anos se passaram e, como toda "raça segregada", aquilo acabou virando uma favela com todos aqueles problemas típicos que tem: Tráfico de armas e comida, sub-moradias, guerrilhas locais e gangues. E esse é o ponto chave do filme que ironicamente foi exatamente onde houve o apartheid.

Formato: O formato tornou o filme ainda mais verossímil. Fez-se um documentário resumindo tudo o que houve desde a chegada dos ETs até o ocorrido no filme. Depoimentos, tomadas ainda não editadas e câmera em mãos acompanhando as operações. Ponto positivo.

Atuação: Aqui preciso revelar mais um pouco do enredo. Wikus, um funcionário default da MNU (Multi National United) é encarregado de despejar todos os alienígenas daquela favela com o propósito de colocá-los em um acampamento melhor - que na real, mais lembra um campo de concentração. No decorrer da operação, Wikus se contamina e aos poucos vai agregando o DNA alienígena ao seu, se tornando cada vez mais parecido com um deles. Sentiu na pele toda a segregação e desprezo de sua própria espécie. Sua atuação - combinada com o enredo, é excepcional. Wikus contraria completamente o comportamento heroico esperado, defende a sua pele e de mais ninguém. Impagável.

O interessante é como criamos empatia com os alienígenas, mesmo eles sendo estranhos, com antenas e parecendo baratas. O filme é muito bem construído em fatos e comportamentos humanos comparados a cituações semelhantes na história de nossa história. Fica a dica. :)

Postar um comentário