quinta-feira, 3 de julho de 2008

Review de Wall-E

Aviso: Este post pode conter spoilers. :-)

Neste post vou falar sobre este filme que e está fazendo um pouco de barulho na minha cabeça: Wall-E. Ele quebra alguns conceitos de filmes e animações que já assisti até agora, e é justamente por isso que merece um post só pra ele. Vou dividir as idéias em 3 pontos importantes: Robôs humanos, técnica e qualidade de efeitos e teorias futuristas.


(Wall-E gazing at the stars)


Resumo: A terra entra em colapso, não tem mais onde colocar lixo. Enquanto a população foge em imensas naves, um grupo de robôs permanece na terra com o objetivo de antulhar o lixo produzido. Um destes é Wall-E. Ele desenvolve uma curiosidade e uma humanidade fora do comum. Conhece Eva, uma robozinha (fêmea?) que vem em busca de algum sinal de vida vegetal. Daí pra frente tem que assistir, senão é spoiler demais.

Robôs humanos: A naturalidade dos personagens da Pixar está ficando melhor a cada longa que se passa. Wall-E é exemplo claro disso. Você só percebe que são robôs por que possuem forma típica, de resto, seriam adolecentes completamente normais. Possuem olhares, comportamentos e reações tipicamente humanas. Wall-E fica completamente sem jeito quando fica perto de Eva, faz gracejos para chamar sua atenção. Eva fica brava com Wall-E, e não apenas isso, sua feição de "Wall-E! Olha o que você fez!" é impagável. Obviamente essa personificação é o objetivo da história, sem ela não haveria nem filme. Mas a qualidade e a fidelidade com que o comportamente humano é replicado é realmente fantástico.


(Wall-E & Eva)


Técnicas: Quando o assunto é técnica e qualidade de efeitos, não tem o que discutir. Pixar é foda e ponto. Mas o ponto que me chamou realmente a atenção é o efeito de desfoque de câmera. A produção simulou o "problema" que se tem em acompanhar um objeto muito rapidamente e o foco não conseguir acompanhar. Sensacional! Isso pode ser visto no fim do trailler, na cena em que Wall-E atrai magneticamente alguns carrinhos de supermercado, a câmera o segue, mas perde o foco em alguns momentos.

O futuro está próximo: Achei que este ponto também devesse receber uma atenção especial. O futuro exibido no filme é completamente factível e alguns pontos podem ser observados desde já em nossa civilização. Um ponto interessante é que o filme saiu do modelo tradicional céu-escuro-chuva-ácida-seres-repuguinantes como em Blade Runner, Matrix e outros filmes de estilo "futuro caótico". Apenas um sol inabalável, paisagem desertica e lixo, muito lixo. A quantidade de lixo jogado na Terra a ponto de conseguir inutilizá-la é o ponto mais óbvio da história, estamos rumando a esse destino, ninguém faz nada e isso já não é novidade. Outro ponto bastante fácil de identificar é a atrofia dos ossos e crescimento dos tecidos adiposos devido à gravidade (artificial) baixa no espaço e esforço físico quase nulo. Mas o que mais me chamou atenção foi o uso de telas acopladas a cadeiras pessoais. As telas se comunicam em tempo real com voz e vídeo com qualquer pessoa da nave. E aí está o paradigma: Pessoas completamente isoladas, autistas vivendo em seus mundinho com suas telas particulares mas ao mesmo tempo se comunicando com o mundo. Será que isso já não acontece?

Assista: Se você não assistiu, assista e repare nessas coisas. Um excelente filme de crianças para adultos.
Postar um comentário