quarta-feira, 18 de junho de 2008

Supercomputador, criptografia e teoria da conspiração

Neste post vou falar sobre o novo supercomputador da IBM: O RoadRunner. Questiono a meaça que ele pode trazer com sua capacidade de processamento para quebrar chaves de criptografia. E já aviso, este post é pra fazer barulho mesmo!

(Foto de uma parte do RoadRunner. Não, quando ele boota ele não faz "Meep, meep!"[1])

Semana passada a IBM, como já é de costume, anunciou o lançamento de mais um super computador, o RoadRunner.
Realmente um excelente trabalho da equipe de P&D da IBM. Pra quem não conhecia, o BlueGene era o antigo computador mais rápido do mundo. Obviamente existem muitas diferenças entre os dois projetos, incluindo arquitetura, número de nós, consumo de energia e tal. Mas a diferença mais gritante é a velocidade de processamento: BlueGene batia a casa de 500 Tera-FLOPS (500 vezes dez elevado a doze operações de ponto flutuante por segundo) enquanto RoadRunner atinge a casa de 1,7 Peta-FLOPS (1,7 vezes 10 elevado a quinze operações de ponto flutuante por segundo).

O ponto interessante do RoadRunner que tange nossa discussão é justamente: Não é lá muito poder de processamento pra um cara só? Explico:

"IBM built the computer for the U.S. Department of Energy's (DOE) National Nuclear Security Administration."

"The DOE plans to use the computer for simulating how nuclear materials age in order to predict whether the USA's aging arsenal of nuclear weapons is safe and reliable. Other uses for the Roadrunner include the sciences, financial, automotive and aerospace industries."


Como a já conhecida teoria da conspiração sobre 11/set[2], eu realmente não consigo acreditar que o governo (leia: FBI) não vá colocar pelo menos um pouquinho de suas garras nesse brinquedo. Com qual finalidade? Bom, todo esse poder de processamento pode ser usado para quebrar criptografia de alguns níveis. E não pense que isso é exagero da minha parte, veja um artigo publica por um aluno da USP sobre o mesmo tema:


"Nos Estados Unidos, a política em relação a exportação de tecnologia de criptografia é de extrema severidade. A Agência de Segurança nacional (NSA) dos Estados Unidos, para garantir o acesso as informações transmitidas, exige que as empresas que desenvolvem tecnologias de encriptação mostrem seus algoritmos ao governo antes de exportá-los. Também limitaram o tamanho da chave utilizada no código a ser exportado. Até janeiro, esse limite era de 48 bits, mas foi aumentado para 64 bits. Em virtude dessas restrições, os Estados Unidos dificultam o desenvolvimento de padrões internacionais de encriptação e geram problemas de incompatibilidades, para as empresas de tecnologia local. "Essa situação fez com que outros países, como a Suiça, Alemanha, Israel, Irlanda, França e Austrália, ocupassem o mercado de produtos de encriptação." diz o diretor da Base, Steinberg."

Observação pertinente: entrei em contato com o autor do texto, Elias Yoshiaki Yoshida, para conseguir mais informações a respeito do assunto e referências sobre esse fragmento em especial, mas não obtive resposta. O site do artigo referencia muitas fontes interessantes que valem a pena dar uma olhada.

E pronto, chegamos ao ponto: Essa foi uma tentativa de gerar barulho sobre esse tema pra fazer os computeiros pensarem um pouco mais sobre esse assunto. E talvez entender que definitivamente política de segurança estadonidense de cu é rola.

Referências:
[1]: Roadrunner é o termo original para o nosso Papaléguas.
[2]: Para entender a teoria que gira em torno do 11 de setembro assista ao filme Zeitgeist.
Postar um comentário